Geração Z usa áudio para se manter sã

MEIO&MENSAGEM

Jovens também consideram músicas e podcasts formas de criar comunidade e conhecer novas culturas


23 de outubro de 2020 - 12h22


 


Na segunda edição do relatório global Culture Next Trends Report, sobre a Geração Z, o Spotify constatou que o grupo dos nascidos no final da década de 1990 até 2010 recorrem ao áudio não só pelo entretenimento e abastecimento cultural, mas também para fazer algum tipo de manutenção na sua saúde mental. As entrevistas foram realizadas globalmente em janeiro e no início do segundo semestre, assim os dados comprovam mudanças de perspectiva durante a pandemia. 



Jovens também estão enajados com mudanças políticas e culturais, ainda que não acreditem no sistema político vigente (Crédito: Ilias Chebbi/Unsplash)


Dos entrevistados, 71% usam o áudio para lidar com estresse e ansiedade; 75% afirmaram que a música os ajudaram a manterem-se sãos durante o período da pandemia; e que, em 94% dos casos, o tipo de música que ouvem mudou para se adaptar ao contexto.


Além da música, o podcast também ganhou protagonismo nesse sentido. Dos brasileiros entrevistados, 64% disseram que estão ouvindo podcasts com mais frequência para informação e entretenimento, mas um terço afirmou que escuta podcasts sobre saúde mental.


Além dessa função, para geração Z e para os millenials, o formato áudio também possibilita conexão entre comunidades e culturas: 85% têm a percepção que os streamings são uma porta de entrada para conhecer diferentes culturas e 82% acreditam que eles podem unir pessoas neste período conturbado.


Inclusive, 73% veem na música uma boa forma de encontrar e cultivar uma comunidade e 79% também tem essa avaliação sobre podcasts. A maioria dos entrevistados ouve ao menos cinco gêneros musicais regularmente. Apesar disso, o orgulho indenitário se mantém forte: 75% têm orgulho do das características únicas e multidimensionais de ser brasileiro e que marcas podem fazer parte disso criando comunidades baseadas em interesses e paixões comuns.


 


Relação com marcas


 


Cansados dos sistemas políticos corruptos (77%) e menos interessados em partidos políticos (81%), os jovens do grupo estão voltando seus olhos às marcas para que elas desempenhem papéis de mudança cultural. Dos consultados, 92% disseram que preferem seguir os propósitos das marcas do que a política e 91% acreditam que as marcas deve agregar valor genuíno à sociedade e não apenas vender produtos. Assumir compromissos falsos e enganosos com causas sociais ou ambientais seria prejudicial para a percepção das marcas, segundo a geração Z.


 


 


**Crédito da imagem no topo: Marco Piunti/iStock

Voltar